O termo masculinidade tóxica está cada vez mais em evidência, principalmente porque se tem notado que os homens estão cada vez mais reprimidos em relação aos seus próprios sentimentos. Caso você não saiba, os homens representam quase 80% do total de casos de suicídio no Brasil. Com o passar do tempo, a saúde mental tem sido algo cada vez mais discutido e valorizado.

Origem

Masculinidade tóxica é, em linhas gerais, um termo que se refere às características estereotipadas voltadas ao comportamento masculino dentro da sociedade, principalmente em relação às mulheres e, também, aos próprios homens. Tais características são tidas – corretamente – como nocivas ou restritivas, influenciando diretamente no modo de viver social.

A masculinidade tóxica deve ser tida como um conjunto de mitos imposto e transmitido desde muito cedo. Dessa forma, os garotos são o principal alvo disso.

Nesse sentido, coisas como “homem de verdade” e “ser macho” são características desse tipo de ideologia e contém ameaças implícitas: o valor da identidade do homem só é validada se eles agirem de acordo com as expectativas criadas em torno deles.

A masculinidade tóxica é, portanto, a forma como os homens lidam com as pressões sociais que sobre eles são impostas de forma equivocada e destrutiva. Dentro desse contexto, eles se utilizam de armaduras para evitar quaisquer dúvidas relativas à sua masculinidade e que são verdadeiras fugas de comportamento.

No entanto, não é de todo correto afirmar que o termo só pode ser associado aos homens. Diante da nossa estrutura educacional, é comum ver muitas mulheres reproduzirem tal comportamento também, o que impulsiona ainda mais a propagação dessa forma de pensar e agir.

Masculinidade tóxica: o que é e o que podemos fazer para neutralizá-la na sociedade

Como os homens devem lidar com a masculinidade tóxica

Apesar de ressaltar uma nuance nociva do comportamento masculino, a masculinidade tóxica não pode ser tida como uma característica intrínseca aos homens. Devo dizer mais: a masculinidade, por si só, não deve ser tida como algo que possui uma natureza tóxica, uma vez que o que valida essa ideologia é o contato com equivocadas ideologias constituídas socialmente e com um meio que a fortalece ainda mais com passar do tempo.

Está mais do que claro que precisamos aprender a lidar com esse grande conflito social. Para isso, precisamos, primeiramente, aceitar a existência da masculinidade tóxica no âmbito social como um fato que precisa de atenção. Assim, a partir do momento em que os homens a aceitarem, haverá possibilidade de entendê-la e, posteriormente, de combatê-la dentro das estruturas em que se encontra.

Sendo assim, as crianças passarão a ser melhor educadas e, com isso, passarão a entender novos padrões do “ser homem”. A partir daí, haverá uma desconstrução em relação aos esteriótipos da masculinidade dentro da sociedade, possibilitando uma melhor visão em relação a este importante tema. Essa tarefa, porém, não é uma das mais fáceis. Isso demandará um esforço constante, além de altas doses de autoanálise, reflexão e monitoramente das próprias atitudes.

Assim, cabe ao homem o papel de parar para compreender o quanto a masculinidade tóxica é nociva para a sociedade como um todo, sobretudo, para o próprio homem e, dessa forma, passar a incorporar à sua vida mais sensibilidade, empatia, acolhimento, características que são, em geral, associadas ao sexo feminino ou ao ‘homem afeminado’.

Masculinidade tóxica: o que é e o que podemos fazer para neutralizá-la na sociedade

Mitos que reforçam o conceito de masculinidade tóxica 

  • MITO 1  : Cabe a um homem estar sempre sob controle e jamais demonstrar tristeza, medo, ansiedade ou vulnerabilidade emocional.
  • MITO 2: Cabe a um homem fazer sexo sempre que houver oportunidade para tanto, e todo homem cuja libido não funciona adequadamente é desprovido de valor.
  • MITO 3: Cabe a um homem agir de maneira agressiva e competitiva sempre
  • MITO 4: Cabe a um homem expressar interesse por coisas como futebol, cerveja e sexo. Se não o faz, ele é afeminado.
  • MITO 5: Não é conveniente que um homem seja delicado ou compassivo.
  • MITO 6: Cabe a um homem ser forte e poderoso o bastante para conquistar todas as coisas que deseja, tanto para si mesmo quanto para aqueles que ama.
  • MITO 7: Cabe a um homem ser perfeitamente autossuficiente e atingir o sucesso sem que o auxiliem ou o apoiem de maneira alguma.
  • MITO 8: Cabe a um homem exercer domínio sobre todas as mulheres de sua vida.
  • MITO 9: Cabe a um homem exercer domínio sobre os homens mais fracos do que ele.
  • MITO 10: Cabe a um homem sustentar a casa sozinho e, se ele não conseguir, não é um homem de verdade.

Por que levar o debate sobre masculinidade tóxica para as escolas

Amplamente discutido na atualidade, o conceito de masculinidade tóxica tem sido trazido cada vez mais às rodas de conversa, como também à mídia e até mesmo – e principalmente – à educação. E o mais importante disso é que os próprios homens têm iniciado e abraçado essas discussões. Mas ainda estamos muito longe de um cenário ideal!

Muitos projetos têm sido criado para explicar às crianças e aos jovens o verdadeiro conceito de masculinidade. Em conjunto a isso, é superimportante a desconstrução de outros conceitos como machismo, por exemplo.

A escola é um dos principais ambientes para se introduzir discussões dessa natureza. Segundo a professora Eliane Malteze, diretora da Escola Técnica Estadual (Etec) Profª Drª Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, localizada em Pirituba, São Paulo…

“Como precisamos construir um ambiente escolar colaborativo e responsável, é importante evitar rótulos, desconstruir preconceitos e discutir o papel de homens e mulheres entre os estudantes”.

Esse tipo de iniciativa é importante, por exemplo, para prevenir a violência de gênero, principalmente porque, em geral, o agressor dos casos de violência contra a mulher é um homem.

Portanto, trazer estudantes para discussões em torno do conceito de masculinidade tóxica é extremamente importante. Dessa forma, haverá muito mais consciência no papel do homem na construção de uma sociedade com mais equidade. Temos muito trabalho pela frente!

Masculinidade tóxica: o que é e o que podemos fazer para neutralizá-la na sociedade

O QUE É MASCULINIDADE TÓXICA? | DESENHANDO

Veja também: