A legalização da maconha é realidade em cada vez mais países. A maconha já tem sido usada como tratamento alternativo de diversas doenças, como esclerose múltipla, câncer, distúrbios alimentares, depressão e estresse pós-traumático, principalmente para estimular o apetite, relaxar os músculos e aliviar a dor.

O uso recreativo da maconha já é legalizado em oito estados norte-americanos (para maiores de 21 anos) e em vários outros, você pode conseguir uma licença para consumi-la terapêutica e medicinalmente. De fato, o comércio legal da cannabis já movimenta mais de US$ 6,8 bilhões nos Estados Unidos, por isso, não é nenhuma surpresa que ela passe a ser uma área de estudo oficial.

A Forbes considerou a maconha a melhor oportunidade de statup para empreendedores e investidores em 2015 e estima-se que a sua economia deve crescer para US$ 44 bilhões até 2020 nos EUA.

Aproveitando a onda econômica que esse mercado está gerando, a Universidade de Northern Michigan (UNM), nos Estados Unidos, abriu um curso universitário exclusivamente para o estudo da Maconha.

Com nome oficial de “Química de plantas medicinais”, a grade curricular inclui disciplinas de química, biologia, cultivo da planta, horticultura, botânica, e também aspectos de empreendedorismo e marketing, para quem pretende se aventurar em um negócio voltado à cannabis – que tem crescido em número a cada ano, desde restaurantes com pratos à base de maconha a casamento canábico.

Hoje, outras universidades como Harvard e Denver já disponibilizam cursos na área, mas nenhum deles de graduação. Esta oferta acontece justamente em um momento em que os Estados Unidos vêem o mercado da maconha expandir, com cada vez mais estados aprovando leis para seu uso medicinal e recreativo.

“Todos os nossos alunos graduados serão qualificados para serem analistas em laboratório”, disse Brandon Canfield, professor de química analítica e coordenador do curso. Um recém-formado poderia ganhar cerca de US$ 5.830 por mês com um diploma desse curso nos Estados Unidos, segundo o professor.

Assista ao vídeo:


Pense antes de falar, legalize, legalize já!

Deixe o seu comentário sobre o post: