Profano

Entretenimento

Profano, do latim Profanus, do inglês Profane, do alemão Profan….
Todas as religiões assentam no pressuposto de que existem duas dimensões do real: a sagrada e a profana.

A sagrada define-se por oposição à profana, e corresponde a uma realidade que é assumida como perfeita, divina e dotada de poderes superiores aos humanos, suscitando no homem respeito, medo e reverência. O sagrado está também relacionado com o divino: um objecto sagrado não é um objecto divino mas um objecto que permite a ligação com o divino. Estando associado à divindade, reflecte os sentimentos que a própria divindade evoca: terror e fascínio. A divindade a que o sagrado permite uma ligação é uma força que tanto vence e ajuda a vencer, como fracassa e faz fracassar; é um poder que não se pode definir, que está em todo o lado mas que não se pode localizar em lado nenhum. Esta força sobrenatural e incontrolável, quanto muito aplacada e propiciada através de sacrifícios, é, ao fim e ao cabo, o desconhecido, pois apenas se sabe que é poderosa para além da imaginação. É esse desconhecido que atrai e repulsa, que fascina e aterroriza: porque o seu poder é tão desejado como temido, os seus favores tão ambicionados como a sua fúria é indesejada.

A profana identifica-se com o mundo em que vivemos, sendo apontada como banal e vista inferior em relação à sagrada (Profano, do latim pro (diante de) e fanum (espaço sagrado).

Segundo Eliade(1992), “o sagrado manifesta-se sempre como uma realidade inteiramente diferente das realidades “naturais”.

Cada experiência religiosa apresenta-se como uma ligação profunda e envolvente do homem com o sagrado, na qual se anula na sua individualidade. Sempre que o homem entra em contacto com o sagrado (o divino, o transcendente) estamos perante um tipo particular de experiência religiosa.

Profano é aquilo que é comum não separado, algo natural ao ser humano. O Sagrado está relacionado a Deus, e a esferas celestiais. Entretanto não significa que o profano é pecado, mas sim que não foi consagrado, separado para um fim sobrenatural.

Blablabla whiskas sache blablabla,  Estamos aqui pra profanar.