Casa de chá para senhoras

Entretenimento

Casa de Chá para Senhoras

Edivaldo está infeliz, acaba de completar 40 anos e não conquistou nada na vida: não fez uma faculdade, não se casou, não teve filho, não possui coisa alguma. E pra completar a casa que morava com sua mãe falecida teve quer ser vendida e o valor repartido entre os seus 6 irmãos.

Edivaldo com sua parte da herança construiu um barraco de quarto e banheiro no fundo do quintal da casa do seu irmão Edmundo, que é casado e tem emprego fixo. A mulher de Edmundo, Berenice, odeia Edivaldo, porque acha que ele é um inútil, e não vê a hora dele sumir da sua propriedade pra demolir o barraco e construir uma churrasqueira.

Como havia dito, Edivaldo está infeliz com sua condição, e nessa data comemorativa de 40 anos de inutilidades, resolveu tomar uma atitude, vai virar bandido. Sentado na cama do seu quarto, pensando no time de crime que irá cometer, folheia um jornal velho e começa a ler as notícias: Sequestro relâmpago, assalto a lotérica, roubo de carro, tráfico de drogas, falsificação de habilitação… nada o inspira. Joga o jornal longe e calça as havaianas.

Andando pela rua ele vê uma senhora obesa e ofegante, arrastando com dificuldade um carrinho com compras cheia de frutas e legumes rua acima. Chega a pensar em roubar o carrinho de compras da idosa, mas desiste, ele não quer ser conhecido como o ladrão de um carrinho de legumes.
– Senhora, posso te ajudar a subir o carrinho pela rua ?
– Oi , pode sim moço. Muito obrigada. – diz a senhora feliz.

Edivaldo leva a compra até a casa da senhora. Ela o convida pra entrar e oferece um lanche, Edivaldo aceita. A senhora sente o mal cheiro e oferece uma ducha para que ele limpe o suor e o encardido dos pés, Edivaldo aceita. Com as carnes caídas e peitos flácidos, ela o surpreende também nua no apertado e nebuloso boxe do banheiro, onde o seduz tirando sua virgindade.

Quatro horas depois, já na reforçada cama, a senhora libidinosa aparenta esgotamento pela maratona sexual, agradecida lhe libera do cárcere lhe dando 50 reais pelo serviço prestado, com a condição que volte no próximo domingo logo após a missa.

A notícia se espalha entre as idosas do bairro, e Edivaldo começa a ser solicitado para acompanhar as carentes senhoras em feiras, bancos e exames geriátricos. Pequenos serviços elétricos, encanamentos de pia, jardinagem, instalação de internet são apenas pretextos para a satisfação de desejos eróticos das velhas carentes. A agenda de Edivaldo fica lotada em poucos dias, ao ponto de dar inicio a calorosas discussões nas reuniões de carteado por conta da gulodice de algumas senhoras mais assanhadas.

– Três vezes essa semana Zuleide, três vezes ? – diz sussurrando no salão de carteado
– O que é que tem ? – olhando para as cartas
– Eu só vejo ele domingo. Onde tem arranjado dinheiro ?
– Minha querida eu tenho as minhas economias.
– Assanhada.

Em outra mesa, outras senhoras combinam horários.
– Eu já entrei no cheque especial pra ter esse horário sexta-feira.
– Edivaldo é um tonto. Eu falei pra ele reservar esse horário, vc não pode pegar minha vez.
– Eu paguei 8 encontros adiantados, querida. Esse horário é meu.
– E agora, ele só tem alguns horários matinais. E as minhas aulas de artesanato?

Edivaldo em pouco tempo compra um carro novo, começa a usar roupas finas, muda da casa do irmão, então financia a compra de um velho casarão e o transforma em um grande puteiro, apelidado de Casa de Chá das Senhoras. O estabelecimento se torna um sucesso entre as idosas, viúvas, tias solteiras e as mal casadas da cidade.

Todos os dias e a qualquer hora, mulheres de idade usando os seus melhores vestidos e perfumes, cruzam as ruas da cidade até a casa. Lá são cortejadas pelos impecáveis funcionários da casa, senhores de 40 a 60 anos, amantes profissionais rigorosamente escolhido por Edivaldo. Lá elas dançam, participam dos Bingos e jogos de carta, escolhem os senhores de sua preferência que as acompanham até um dos quartos impecáveis do casarão ou então para suas próprias casas, onde satisfazem seus desejos reprimidos.

Edivaldo, é dono da primeira Casa de Chá para Senhoras que se tem notícia, ideia que foi implementada em outros estados, formando uma rede com quase 80 franquias. Hoje ele apenas administra os negócios e está casado a mais de 8 anos com a filha de uma de suas clientes. Possue 3 filhos, e se tornou um dos 10 homens mais ricos do Goiás.

Contos verídicos, a Abobra assina embaixo